Lubrificantes automotivos

O crescimento na produção de 26,1% e 12,7%, respectivamente nas categorias de automóveis e veículos comerciais, segundo a Anfavea, e do PIB agrícola na ordem de 13%, segundo o IBGE, contribuíram para uma redução significativa da queda dos lubrificantes automotivos em comparação ao ano de 2016. O mesmo se observa com relação às vendas de motocicletas, segundo a Abraciclo, que recuaram 5,1% versus 2016. No entanto, se observa um aumento nas unidades vendidas no último trimestre de 2017 na ordem de 21%, o que representa um claro início de recuperação.

ESTIMATIVA DA FROTA NACIONAL

Fonte: Abraciclo/Denatran

LICENCIAMENTO DE AUTOVEÍCULOS POR REGIÃO (UNIDADES LICENCIADAS)

Fonte: Anfavea

Em 2017, as vendas de lubrificantes automotivos recuaram em apenas três das cinco regiões, diferentemente do que ocorreu no ano anterior, quando houve quedas significativas em quatro das cinco regiões. Além disso, pode ser afirmado que, em valores absolutos, os resutados relativos melhoraram. Dentre os fatores que contribuíram para essa melhoria, podem ser destacados a atividade agropecuária, bem como o licenciamento de autoveículos.

O primeiro deles tem efeito imediato nas vendas, enquanto que o segundo requer um período mais longo para influenciar no consumo de lubrificantes, uma vez que está associado ao ciclo de substituição periódica do óleo.

Esses efeitos podem ser notados claramente pelos diferentes resultados observados nas regiões Sul e Centro-Oeste, com crescimentos 0,3% e 1,1%, respectivamente, onde a atividade agropecuária ocupa um lugar de destaque, enquanto que o licenciamento se faz presente em todas as regiões.

A região Sudeste, embora tenha apresentado um consumo inferior àquele observado em 2016, registrou uma menor contração nas vendas (-1,9%).

VENDAS POR REGIÃO – LUBRIFICANTES AUTOMOTIVOS

Fonte: FGV